Ora nem a propósito...

Aqui fica na íntegra um artigo do João Querido Manha no Correio da Manhã.
Eu não diria que são só 7, mas ...

05 Abril 2008 - 00h00

FC Porto

7 Pecados no El Dorado

Lucílio Baptista não se limitou a fechar os olhos à estalada de Quaresma a Rolando no domingo, na enésima infracção disciplinar passada sem julgamento de um jogador do FC Porto ao longo da temporada.

Tal como a agressão de Bruno Alves em Matosinhos e muitas outras nas jornadas anteriores, os árbitros, negligentes perante os excessos dos jogadores portistas, revelam uma insegurança inerente à falta de esclarecimento dos seus líderes perante a necessidade de demonstrarem absoluta independência relativamente a agentes acusados de corrupção, sem de algum modo porem em perigo o futuro, quando tudo acabar com a honrosa e dourada absolvição de toda a grande família do ‘sistema’.

Enquanto tem decorrido a fase instrutória do processo desportivo do ‘Apito Dourado’ assiste-se a um acomodamento progressivo da arbitragem ao domínio psicológico e jogo de influências que marcava o panorama desde meados dos anos 80, quando o FC Porto, através do braço armado da Associação de Futebol do Porto, tomou conta do Conselho de Arbitragem da FPF. O mesmo tipo de decisões normais e ‘lógicas’ em campo, favorecendo sistematicamente a equipa azul e branca, caracteriza este processo de rendição em que a maioria dos árbitros sobreviventes procura dar a saber que nunca hostilizará o clube dominante.

Só assim se explica o número anormalmente elevado de decisões a favorecer o FC Porto ao longo da temporada, raramente suscitando controvérsia e merecendo da Comunicação Social em geral a mesma indiferença cúmplice e a assunção de que tudo está bem quando acaba bem.

Uma percentagem anormalmente alta, de quase 20%, de golos irregulares é o sinal mais evidente desta nova ordem saída do processo ‘Apito Dourado’, que, longe de condenar o tráfico de influências generalizado há muitos anos, promete apenas reforçar o poder público dos ‘padrinhos’ deste sistema, depois de darem mais um ‘chito’ no sistema judicial e no Ministério Público, incapazes de provar a corrupção.

E, ao domínio técnico e futebolístico incontestável, o autêntico El Dorado portista em que se transformou a Liga, associa-se um colaboracionismo militante que redundou em pelo menos sete erros flagrantes que a opinião pública digeriu fleumaticamente, por não lhe parecer que estando sob alçada judicial e disciplinar os dirigentes do FC Porto pudessem continuar a dirigir a seu bel-prazer os meandros do jogo. Pelo contrário, esse poder é a demonstração do domínio absoluto e incontroverso, com um condicionamento psicológico que nenhuma corrupção declarada conseguiria fazer melhor.

Qualquer análise sumária dos números aponta à mesma conclusão. Desde que começaram os processos instrutórios nos tribunais, há cerca de dois anos, a equipa portista deixou de ser julgada com severidade em campo, com jogadores como Quaresma, Pepe, Pedro Emanuel, Cech e Bruno Alves a passarem ao lado de expulsões por faltas e agressões que os árbitros não tiveram coragem de punir disciplinarmente. Nestes dois anos, a equipa portista cometeu mais faltas em campo mas sofreu apenas duas expulsões, contra oito do Benfica e sete do Sporting. E as que acidentalmente ocorreram (Quaresma, Leiria, e Mariano, Académica) parecem ter assinado a ‘sentença de morte’ das carreiras dos árbitros, os imprudentes Elmano Santos e Cosme Machado.

UMA LIÇÃO DE ARBITRAGEM

Pedro Proença protagonizou o primeiro grande escândalo da época ao tomar uma decisão acertada que chocou milhares de adeptos (e não só) menos familiarizados com as regras do futebol no célebre livre indirecto dentro da grande área, no FC Porto-Sporting, de que veio a resultar o triunfo portista. O melhor árbitro português é dos poucos que mantêm uma aparente relação de superioridade com os agentes da bola, dando-se ao respeito dos tubarões e passando ao lado das pressões. Farão tudo para o manterem longe, porque reconhecem a dificuldade de desfrutar de julgamentos tendenciosos, ‘normais’ com a maioria dos árbitros politicamente correctos.

A ARTE DE FECHAR OS OLHOS

No recente Leixões-FC Porto, o árbitro que vem sendo apontado para um lugar de destaque nos próximos anos, Jorge Sousa, mostrou dominar já a capacidade para fazer carreira – a largueza de critérios no julgamento das jogadas intimidatórias e violentas da equipa do FC Porto. A agressão de Bruno Alves a Jorge Gonçalves, um dos lances mais violentos vistos num estádio português nos últimos anos, foi obliterada pelo seguro árbitro portuense, poupando-se a uma grande chatice e mostrando ter aprendido com o ‘fim’ da carreira de Elmano Santos, ditado pela ‘coragem’ de mostrar o cartão vermelho a Ricardo Quaresma há um ano. A impunidade dos jogadores do FC Porto explica o baixo índice de expulsões relativamente aos adversários desde que se iniciou o processo ‘Apito Dourado’.

SUSPENSÃO PECA POR TARDIA

O árbitro que tomava cafezinho em casa do presidente do FC Porto só agora foi suspenso pela Liga de Clubes e vai, finalmente, ficar impedido de continuar a influenciar negativamente a competição. Trata-se de uma decisão importante e lógica, que só peca por tardia, ao repor alguma igualdade de critérios entre todos os concorrentes.

Na realidade, Augusto Duarte já estava inibido de dirigir partidas dos três grandes, por opção unilateral da Comissão de Arbitragem, que constituía uma estranha diferença relativamente aos outros clubes.

O último jogo importante de Augusto Duarte tinha sido a fabricação do triunfo do FC Porto em Penafiel, há dois anos, quando assinalou um penálti inexistente sobre Ibson, e a partir daí foi cirurgicamente afastado das partidas dos três grandes. Mas foi sempre mantido no quadro e acabou por ser nomeado recentemente, pela Federação, para um jogo da Taça de Portugal envolvendo o Benfica, provocando uma reacção violenta do clube vítima das suas alegadas conspirações.

BRUNO PAIXÃO

Apesar da contrição oficialmente assumida perante Pôncio Monteiro, o árbitro detestado pelo FC Porto foi religiosamente mantido afastado dos jogos da equipa de Jesualdo Ferreira depois das queixinhas que se seguiram à derrota frente ao Sporting na Supertaça. Quando parecia ‘reabilitado’, ei-lo outra vez atirado para o índex e virtualmente vetado. A subserviência da Comissão de Arbitragem nota-se mais quando se repara que Paixão já foi nomeado para três jogos do Benfica, todos fora de casa.

PAULO PARATY

O árbitro odiado pelo Sporting e conotado com o rival da 2.ª Circular também já serviu para três partidas do Benfica mas foi religiosamente mantido afastado dos dragões, com quem tem um registo de quase 100% de vitórias. Como a última imagem é que perdura, despede-se como ‘aliado’ dos encarnados, não obstante o saldo de resultados bem menos favorável. Para quem tanto procurou agradar ao poder portista ao longo de 17 anos (14v-3e-1d), esta segregação assume o cariz de mal-agradecimento.

GOLOS IRREGULARES DO FC PORTO

2003/04 0
2004/05 2
2005/06 2
2006/07 1
2007/08 7

SETE PECADOS

JOÃO VILAS-BOAS

3.ª jornada, em Leiria: Bruno Alves fez o passe para Lisandro depois de a bola ter passado a linha de fundo.

O. BENQUERENÇA

5.ª jornada, em Paços de Ferreira: contra-ataque lançado por Leandro Lima, com Lisandro a arrancar deslocado.

RUI COSTA

8.ª jornada, frente a Leixões: Lisandro prepara o remate ajeitando a bola com a mão à entrada da área.

PAULO BAPTISTA

9.ª jornada, frente a Belenenses: Hélder Postiga, lançado por Paulo Assunção, mais de dois metros fora de jogo.

PAULO COSTA

20.ª jornada, frente a Paços de Ferreira: fora-de-jogo de Farías, que faz o passe decisivo para Lisandro.

JORGE SOUSA

23.ª jornada, em Leixões: Lucho Gonzalez lança Tarik Sektioui que arranca em fora-de-jogo.

LUCÍLIO BAPTISTA

24.ª jornada, em Belém: grande penalidade inexistente de Hugo Alcântara sobre Ricardo Quaresma.

João Querido Manha

4 comentários:

Anónimo disse...

Mas alguém minimamente honesto acredita que esta superioridade do FCP é real? Então nós não temos olhos na cara para descortinarmos as irregularidades permitidas pelos apitadores,que são sistematicamente cometidas a favor dos dragões,jornada sim jornada sim, lá vêm os golos irregulares, os penaltis por marcar (ainda hoje em Setúbal se viu mais um do Fuzile sobre o Leandro)os foras de jogo por marcar sempre em beneficio do clube que manda um árbrito a sua casa para lhe dar chocolatinhos. Isto para não falar desse autentico jogador de Kung Fu que dá pelo nome de Burrro Alves que distribui fruta em todos os campos (menos quando joga pela selecção porque aí os arbritos fazem como fizeram recentemente ao homem dos 30 milhões de seu nome Pepe aí mostram-lhe e bem a respectiva cartolina), e depois ainda temos de ver todos os clubes a jogarem com setenta jogadores do Folculporto em todas as divisões. Isto assim é desporto competitivo e sadio? então nós não vimos isto,será só dor de cotovelo? O tanas é que é.

Senhores da Liga impeçam estas ilegalidades a bem do futebol se assim não o fizerem será futebol a cavar a sua própria sepultura.

Abaixo o Futebol Corrupto.

ABAIXO A CORRUPÇÂO EM PORTUGAL.

vanbasten disse...

Que puta de doença!!!
Levam banho de bbola em tudo quantyo é sítio e vem agora o Manha -olha quem é ele!! - dizer que fomos beneficiados!! E os penalties? Quantos tiveramos adversários directos? Expulsões perdoadas? e os outros? Binya, petit, katso luisão..
Palhaços!! Inchem!!

preto disse...

Elmano Santos
26ª Jornada no Bonfim

Mariano controla a bola com o braço e no seguimento marca o golo da vitória

Paulo disse...

Pois, o senhor Manha se calhar esqueceu-se do golo anulado ao Porto, que ninguém percebeu, em Leiria quando o resultado ainda estava 0-0. Ou seja, logo no primeiro jogo analisado, o seu "estudo" perde toda a credibilidade. Ao menos podia manter a imparcialidade. E depois continua, como no jogo frente ao Leixões, onde é certo que há fora de jogo (mas milimétrico e, segundo instruções claras, em caso de dúvida é para seguir), mas ignora os três mal tirados logo no início, de jogadores completamente isolados.

Aliás, basta ver o jogo da Supertaça desta época para se ver que realmente os árbitros tudo fazem para ajudar o FCP. Ou o jogo do Porto em Alvalade, com um golo em fora-de-jogo do Sporting e um penalty por marcar a favor do Porto. Estou farto de dizer isto, porque sinceramente não acredito na culpabilização das arbitragens pelos erros dos jogadores. Mas parece que em Portugal não adianta, porque a pressão está toda em cima dos árbitros, talvez os agentes mais mal pagos do futebol profissional, e que ainda são insultados por cima. Dirigentes, jogadores e treinadores que cometem erros constantes, são sempre os alvos de recurso, quando não se pode falar mal dos árbitros.

Sinceramente, não percebo qual é o sentido. Em Espanha há disto todas as semanas. Ainda esta semana, em dia de jogo grande, houve um golo marcado com a mão. Será que se fizeram programas desportivos a falar sobre os árbitros? Claro que não. O que se fez então? Celebrou-se o futebol...